Maren Ade e o cinema no qual o inferno são todos os outros

2016 foi o ano dela. Apesar de ignorado pelo júri do Festival de Cannes, Toni Erdmann (2016) foi, sem dúvida, o seu grande destaque e não se deve ao fato de que a diretora Maren Ade era exatamente uma revelação. Afinal, o seu primeiro longa-metragem Floresta para Árvores (Der Wald vor lauter Bäumen, …