Categorias
Artigos

O inimigo invisível

Nos últimos anos, a Europa passou por momentos economicamente delicados. Portugal, por exemplo, teve uma alta taxa de desemprego e assistiu uma geração de jovens prestes a entrar no mercado de trabalho, perder a fé de viver no país. Por mais que ainda exista reflexos de dificuldade econômica na Zona do Euro, é certo que as nações afetadas estão reagindo e o momento atual não é tão caótico como em anos anteriores, por mais que ainda haja complicações sociais devido a um período confuso. Colo (2017)  faz parte desse contexto e se dedica a radiografar tal fase em Portugal a partir de uma família pertencente à classe média lisboeta que, em razão aos obstáculos originados durante a crise do capital, estaciona em um furacão.

Marta, uma adolescente de dezessete anos tem todos os anseios e desejos dos jovens dessa idade. As preocupações da menina não condizem com a situação familiar. Apesar de vivenciar as adversidades e perceber que há algo de errado – em certo momento, ela pergunta à mãe porque o comportamento dela e de seu pai está diferente do habitual – prioriza o namorado ou o dinheiro que seus pais têm de lhe dar para pegar o ônibus. Quando ela aparece em prantos, é por conta da morte de seu passarinho, por quem nutre verdadeira paixão. Marta faz um pequeno caixão com vários enfeites coloridos e pede ao pai para enterrá-lo, pois não quer saber onde ficará o bichinho. A forma de lidar com a inevitabilidade da morte é quase infantil, mas a adolescência permite ações imaturas. Além disso, o pássaro de estimação, provavelmente, a acompanhava desde a infância e a morte dele é a perda de uma ligação com uma fase mais fácil da vida, sem o peso que o mundo impõe a medida em que se envelhece.

Os pais de Marta não têm nomes próprios. Estão em outra fase de maturidade e lidam com um processo um tanto mais complicado, enquanto o pai está desempregado e sem perspectivas de conseguir algum trabalho em curto prazo, a mãe tem de se desdobrar em dois empregos para manter a casa e, consequentemente, a vida pequeno-burguesa. Tal situação financeira vai minando as forças e a sanidade de cada um dos três. Todos os personagens precisam de colo, de um gesto de carinho para que se sintam protegidos e acalentados diante dos problemas do mundo, mas exprimir esse desejo é um gesto de fraqueza, algo proibido na vida adulta. Se mesmo Marta quando chora, é em um momento de aproximação da infância, essa condição inexiste na vida dos pais que são obrigados a agir. E as ações muitas das vezes, não fazem qualquer sentido, quanto mais colidem nos obstáculos, mais operam de forma absurda.

Colo é o anti filme catástrofe, o inverso do cinema de Rolland Emmerich, pois não é algo de fora da interioridade do núcleo familiar que produzirá uma desestabilização no mundo. Em narrativas que privilegiam a destruição do planeta ou, ao menos, lidam com o medo de algo externo ao espaço seguro do lar, que pode vir a ser molestado, a união entre os entes da família se faz necessária para todos assumirem uma valentia diante da desgraça iminente. Além de estabelecer critérios de proteção, o pai protege o filho, o galã salva a mocinha, dentre outros clichês, mas sempre em função da união. Em Colo, por outro lado, não há nada visível do lado de fora, o núcleo familiar é golpeado sem que ao menos identifique o que está acontecendo. As dificuldades econômicas ampliam incômodos e estremecem o relacionamento entre a família. Como cupins em um objeto de madeira, que o destroem por dentro, até ele perder suas bases e desmontar, a relação entre os familiares é consumida até se desfazer. Quando a mãe afirma que irá para a casa de uma amiga e que Marta terá de ir com o pai para a casa de sua avó, porque as pessoas se ajudam em momentos difíceis, como uma guerra, por exemplo, resta a Marta gritar que eles não estão em guerra. Contudo, a realidade de lutar contra um inimigo invisível, pode ser ainda mais penosa. Pois, muitas das vezes, é difícil se dar conta de que ele existe.

Quanto mais o tempo passa e a situação continua inalterada, mais difícil manter o padrão de vida.  Com os boletos se acumulando, a companhia de energia corta a luz do apartamento. Diante da falta de eletricidade, surge a necessidade fundamental de manter os aparelhos celulares funcionando. Por isso, Marta faz uma peregrinação pelo prédio em busca da possibilidade de recarregar os telefones pessoais de cada membro da casa. É possível imaginar  uma espécie o delineamento de uma estrutura familiar que se dispõe na mesa durante o jantar e vai se moldando a partir da evolução tecnológica. Uma família do século XIX ficaria junta à mesa com o patriarca na ponta, possivelmente sem luz elétrica, a iluminação viria apenas de velas. Já uma família do início do século XX, teria o rádio para preencher o espaço de um possível silêncio. Em meados do século XX, a televisão surge como um objeto visual em que os membros familiares não apenas ouvem, como se voltam para a tela luminosa, formando um semicírculo para as atenções sejam direcionadas ao aparelho. Todas essas ações ainda sugerem partilhar o tempo de forma conjunta, com os familiares dividindo a atenção ao mesmo programa. No início do século XXI, contudo, todos têm sua própria tela luminosa, com a “programação” que interessa a cada um, mesmo que o jantar seja a luz de velas. A história do capitalismo está atrelada a apresentar “novas necessidades” para a população e vender novos produtos que reconfiguram estruturas sociais. O smartphone é o símbolo do capital nesse início de século, por isso, artigo de primeira necessidade e, pode vir a adquirir uma importância desmedida para uma aparelho que não existia há vinte anos. Mesmo que traga benesses para o dia a dia, também pode ser a origem de malefícios. Se o neoliberalismo defende a liberdade do indivíduo, o celular pode vir a ser o exemplo de uma excessiva individualização dos sujeitos.

O neoliberalismo não é apenas uma proposta econômica, mas a constituição de um modo de vida específico, no caso, individualista. Perder as benesses do capital é desestruturar tal modo de vida, inclusive, as relações sociais. A partir do momento em que os problemas financeiros se avolumam, as relações familiares vão se desmanchando. Logo no início do filme, há um plano em que Teresa Villaverde captura as ações familiares do lado de fora do prédio. Com uma câmera fixa, identifica-se facilmente a divisão entre o quarto dos pais e o quarto da filha, como se fossem dois ambientes opostos. Logo depois, quando a mãe vai conversar com Marta no quarto da garota, há uma atmosfera estranha, como se ali não fosse o espaço adequado para a mãe se demorar, mas apenas para falar o necessário e sair. Essa estranheza se repete outras vezes em que os quartos são “invadidos” pelos moradores da casa que não fazem parte daquela habitação específica. Mesmo dentro da própria casa, há uma compartimentação dos espaços sociais que gera um constrangimento quando rompidos. Em certo momento, Marta chega a falar para o pai que está com uma amiga no quarto dela e a presença deles a incomoda. Há uma cisão na relação familiar que parece ficar mais latente à medida que as dificuldades econômicas são ampliadas.

Há proximidades entre Colo e A Fábrica de Nada outro filme português, debatido na Calvero. Os dois filmes fazem parte do mesmo contexto, um universo de crise económica em Portugal. A Fábrica de Nada, contudo, opõe os trabalhadores que estão a perder seus empregos aos donos dos meios de produção durante uma crise do capitalismo financeiro. O filme está interessado naqueles sujeitos uniformizados que vão se unir para se opor às decisões dos patrões e inventar um novo modelo de gerência em que os próprios trabalhadores irão dirigir a fábrica. Pouco se revela sobre a vida dos sujeitos para além daquele coletivo. Observa-se, contudo, que o personagem a ganhar mais destaque durante a projeção, está com a vida pessoal em frangalhos. Caso consiga contornar os problemas profissionais e voltar a ter um trabalho fixo e uma renda digna, é muito difícil pensar que sua vida pessoal retornará ao estágio em que estava antes. Esse é o caso de Colo. Há uma inversão do olhar em relação à A Fábrica de Nada. Não se procura trabalhadores uniformizados fazendo greves e piquetes, porém, rupturas nas relações de intimidade. Entrega-se muito pouco sobre os trabalhos dos pais de Marta. Não fica claro qual é a formação do pai e porque ele está sem emprego, assim como não aparece quais as funções que a mãe adquiriu em sua dupla jornada de trabalho. O que fica marcado é a desestruturação familiar que o capital promove. O final da narrativa mostra cada membro da família em um lugar diferente, distantes e sem possibilidade de contato real. É impossível imaginar que uma reestruturação financeira da família levará a uma reordenação do universo interior daqueles personagens. O que foi reduzido a cacos, jamais retomará a imagem inicial.

A Fábrica de Nada é um filme que identifica os antagonistas, mesmo que eles pouco apareçam em tela. Colo, por outro lado, tem personagens que não conseguem identificar a raiz do problema e, por isso, se separam. Nesse sentido, há uma melancolia recorrente, desde os tons frios da palheta de cores, até o estado de letargia constante dos personagens que rapidamente se identifica por suas posturas e expressões. Logo na primeira sequência, Villaverde utiliza do close up para se aproximar do rosto choroso de Marta após uma briga com seu namorado. Identifica-se a tristeza da garota, há uma aproximação com as dores e os segredos da  personagem, enfim, ela parece próxima dos espectadores. O último plano, contudo, é da pequenina casa que Marta ficará alojada por alguns dias. Na cena anterior, a menina aparecia deitada em uma pequena cama, encolhida, sem qualquer traço de ação que desse a entender a possibilidade de sair do estado de letargia. Colo pode até ser uma narrativa de passagem para a vida adulta, mas essa condição não se constrói por meio de ensinamentos ou algo parecido, surgindo apenas a partir de um choque de realidade em um mundo que pode imprimir sufocamentos em qualquer sujeito. Marta vai entrar na vida adulta com o peso das situações ocorridas no passado em seus ombros, tudo indica que ela será infeliz e sem estrutura para lutar contra essa condição que vai se dilatar ao longo do anos. Villaverde entende que as deformações sociais produzidas pelo neoliberalismo tem um contexto global, porém também atuam na intimidade.

Por Lucas Reis

Curador do Festival Brasileiro de Cinema Universitário (FBCU) e do Perro Loco. Professor de cinema e audiovisual, já ministrou oficinas em diversos espaços formais e não-formais. Graduando em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal Fluminense (UFF), foi estagiário da cinemateca do MAM e faz parte do Laboratório Universitário de Preservação Audiovisual (LUPA).

2 respostas em “O inimigo invisível”

Gostei muito. Eh concisa e perspicaz. Quando garoto, li um conto português em que acontece a morte de um bichinho de estimação do protagonista e a reação é idêntica da Marta.

Lucas, li teus textos, não vi os filmes mas fiquei com muita vontade vêr. Mas amei foi o teu pensar ao analiza- los. Que boa visão da vida e no mundo tu tens, meu querido! Donde este pensar” psicológico” e até “ psiquiátrico” ! Só posso te dizer: Parabéns! Além do amor que te tenho, tenho muito orgulho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *