Calvero

Sobre começar

Pelotas é uma cidade que possui dois cursos acadêmicos voltados ao cinema e uma importância histórica no cinema nacional. Logo, está carregada pela potencialidade de se tornar um pólo de produção audiovisual com a formação de profissionais que estudam na área. Poucos sabem, mas a nossa cidade também possui certa tradição quando a crítica cinematográfica. Isso se deu através de Paulo Fountoura Gastal, melhor conhecido como P. F. Gastal. Alguns podem se lembrar pelo nome da sala de cinema da Prefeitura de Porto Alegre.

P.F. começou escrevendo pequenos textos publicitários para as sessões que aconteciam no Cine Capitólio, local que atualmente está esquecido e à venda. Depois de certo tempo passou a se dedicar à algumas críticas para o Diário Popular, contando um pouco do que assistia nas (muitas) telonas que Pelotas um dia já possuiu. Um de seus pseudônimos era Calvero, referência direta ao personagem criado por Chaplin, um palhaço triste de Luzes da Ribalta (1952).

O acesso aos filmes era outro naquela época. Não existiam blogs, Facebook e nem televisão a cabo, Youtube, Netflix, Popcorn Time, e tantas outras forma de se assistir e comentar sobre audiovisual. Existiam as salas de cinema com suas matinês, suas sessões de arte, os jornais, as pessoas que se reuniam (veja só!) para discutir cinema. E existia alguém como Gastal, que comentava os filmes através de seus textos, com seu preciosismo de nos contar cada experiência que vivenciava dentro das salas de cinema que o inspiravam. As quais nos inspiram também. Aliás, a nostalgia de vivenciar mais uma vez esses espaços vive em cada pelotense que viu a cidade ser tomada por cinemas. Além de inspirados por todos esses espaços, pela efervecência que já existiu na cidade e o trabalho excepcional de Gastal o que nos motiva é a vontade de falar sobre cinema, de torná-lo acessível.

A Calvero nasceu como uma tentativa de ser um espaço de reflexão sobre as mais diversas expressões. Essecialmente nossa força motriz é o cinema, mas isso não quer dizer que a música, a literatura e as artes visuais como um todo não terão espaço. Gostaríamos de aproximar ainda mais o público e os leitores pelotenses do cinema. Inicialmente planejada para ser impressa em formato de zine, a Calvero se ramifica em diversas formas como esse site, uma futura sessão de cinema e muito mais.

Renato Cabral

Graduado em Cinema e Animação pela UFPel, é membro da Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul (ACCIRS) e editor-chefe do Calvero.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *